‘Jane Austen Superstar’: prazo alargado para submissão de propostas

2017 marks two centuries since the death of Jane Austen in July 18, 1817. Two hundred years after her premature death, the English writer has never been more famous: from movies to tote bags, from mugs to rewritings of various sorts (sequels, guides to dating, adaptations to modern-day circumstances, biographies and fictional biographies, and, of course, translations), her work has invaded and pervaded contemporary imagination.

As Virginia Woolf famously put it, “[h]ere was a woman about the year 1800 writing without hate, without bitterness, without fear, without protest, without preaching” (Woolf, 2008: 88). This apparently unassuming woman penned six powerful novels that have changed the world. Seen by some as an unwitting precursor to the women’s rights movements, read by others as a conservative author, Austen never ceases to baffle the contemporary reader, writer and critic alike: is she a “secret radical”, as Helena Kelly suggests (2006), or is she apolitical and / or a middle-of-the-road author? Is she an author who writes about trifles or does she, as Woolf surmised in 1925, stimulate “us to supply what is not there”? Woolf further adds that “[w]hat she offers is, apparently, a trifle, yet is composed of something that expands in the reader’s mind and endows with the most enduring form of life scenes which are outwardly trivial.”

The conference would like to celebrate Jane Austen’s life and work by discussing (a) how her books form part of the contemporary experience of love, gender, family, social and pecuniary relations and (b) how her writing style, her silences as well as her favourite topics, and her language have shaped modern-day literature, both in the UK and abroad.

In a nutshell, the conference aims to discuss both the author’s rootedness in the late 18th and early 19th centuries, her authorial longevity and acumen, and her to some extent intriguing pop star fame in the last 20 years, proving indeed that “[h]er legacy is not a piece of reportage from the society of a particular past, but a wise and compelling exploration of human nature” (Shields, 2001: 170).

Papers on the following topics are welcome:

  • Authorship and (in)visibility
  • Austen and feminism
  • Jane goes to Hollywood
  • Austen and TV adaptations
  • Austen as a popular icon (fashion, books, visual icon, and other memorabilia)
  • Austen’s critical fortune
  • Austen and (the absence) of history
  • Austen and / in the great tradition
  • Masculinities & the economics of power
  • Jane and mothers
  • Austen and the social value of gossip
  • Flattery in Jane Austen
  • Jane in translation / Translating Austen
  • Places in Austen
  • Austen and politics
  • ‘Janeitism’: from fandom to commodification

Keynote lecturers:

  • Kathryn Sutherland (University of Oxford)
  • Helena Kelly (Mansfield College, Oxford)

Organising Committee:

  • Alexandra Lopes
  • Rita Bueno Maia
  • Maria Sequeira Mendes

Scientific Committee:

  • Teresa Casal (University of Lisbon)
  • João Ferreira Duarte (University of Lisbon)
  • Alexandra Lopes (Universidade Católica Portuguesa)
  • Rita Bueno Maia (Universidade Católica Portuguesa)
  • Adriana Martins (Universidade Católica Portuguesa)
  • Rogério Miguel Puga (New University of Lisbon)
  • Jorge Vaz de Carvalho (Universidade Católica Portuguesa)

The conference languages are English and Portuguese. Speakers should prepare for a 20-minute presentation followed by questions. Please send a 250-word abstract, as well as a brief biographical note (100 words) to austensuperstar@gmail.com by August 27, 2017.

Proposals should list the paper title, name, institutional affiliation, and contact details. Notification of abstract acceptance or rejection will take place by September 18, 2017.

Fees:

Early bird (by October 9):
Participants – 100€
Students (ID required) — 50€
After October 9 but no later than November 10:
Participants – 120€
Students (ID required) – 60€
The registration fee includes coffee breaks on the two days of the conference, as well as conference documentation.

Payment:

By bank transfer:
NIB 003300000017013412105
IBAN PT50 0033 0000 0017 0134 1210 5
SWIFT BCOMPTPL
By cheque made out to:
Universidade Católica Portuguesa
and sent to:
Centro de Estudos de Comunicação e Cultura
a/c Elisabete Carvalho
Universidade Católica Portuguesa
Faculdade de Ciências Humanas
Palma de Cima
1649-023 Lisboa Portugal

Please send the notification (in case of online-banking) or a copy of the bank transfer document to the aforementioned email.

18 anos, 11 colóquios: celebrar os Estudos de Tradução

O colóquio “Translating Fear”, que reúne investigadores de várias nacionalidades nos dias 21 e 22 de Julho, na Universidade Católica Portuguesa, é o 11º encontro de uma iniciativa com 18 anos que contribuiu para o desenvolvimento dos Estudos de Tradução em Portugal.

Teresa Seruya, investigadora do CECC e Professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, keynote speaker desta edição, e desde a primeira hora uma das principais responsáveis pelo projecto, conta o percurso dos encontros de Estudos de Tradução:

Conferência sobre Jane Austen em Dezembro: chamada de artigos até 23 de Julho

Jane Austen Superstar.

Readership, Translation & Criticism in the 21st century

11-12 December 2017
Universidade Católica Portuguesa (Lisbon)

2017 marks two centuries since the death of Jane Austen in July 18, 1817. Two hundred years after her premature death, the English writer has never been more famous: from movies to tote bags, from mugs to rewritings of various sorts (sequels, guides to dating, adaptations to modern-day circumstances, biographies and fictional biographies, and, of course, translations), her work has invaded and pervaded contemporary imagination.

As Virginia Woolf famously put it, ‘[h]ere was a woman about the year 1800 writing without hate, without bitterness, without fear, without protest, without preaching’ (Woolf, 2008: 88). This apparently unassuming woman penned six powerful novels that have changed the world. Seen by some as an unwitting precursor to the women’s rights movements, read by others as a conservative author, Austen never ceases to baffle the contemporary reader, writer and critic alike: is she a ‘secret radical’, as Helena Kelly suggests (2006), or is she apolitical and / or a middle-of-the-road author? Is she an author who writes about trifles or does she, as Woolf surmised in 1925, stimulate ‘us to supply what is not there’? Woolf further adds that ‘[w]hat she offers is, apparently, a trifle, yet is composed of something that expands in the reader’s mind and endows with the most enduring form of life scenes which are outwardly trivial.’

The conference would like to celebrate Jane Austen’s life and work by discussing (a) how her books form part of the contemporary experience of love, gender, family, social and pecuniary relations and (b) how her writing style, her silences as well as her favourite topics, and her language have shaped modern-day literature, both in the UK and abroad.

In a nutshell, the conference aims to discuss both the author’s rootedness in the late 18th and early 19thcenturies, her authorial longevity and acumen, and her to some extent intriguing pop star fame in the last 20 years, proving indeed that ‘[h]er legacy is not a piece of reportage from the society of a particular past, but a wise and compelling exploration of human nature’ (Shields, 2001: 170).

Papers on the following topics are welcome:

Authorship and (in)visibility

Austen and feminism

Jane goes to Hollywood

Austen and TV adaptations

Austen as a popular icon (fashion, books, visual icon, and other memorabilia)

Austen’s critical fortune

Austen and (the absence) of history

Austen and / in the great tradition

Masculinities & the economics of power

Jane and mothers

Austen and the social value of gossip

Flattery in Jane Austen

Jane in translation / Translating Austen

Places in Austen

Austen and politics

‘Janeitism’: from fandom to commodification

Invited keynote speakers [to be confirmed]:

Kathryn Sutherland (University of Oxford)

Helena Kelly (Mansfield College, Oxford)

Álvaro Pina (University of Lisbon)

 

Organising Committee:

Alexandra Lopes

Rita Bueno Maia

Maria Sequeira Mendes

 

Scientific Committee:

Adriana Martins (Universidade Católica Portuguesa)

Alexandra Lopes (Universidade Católica Portuguesa)

João Ferreira Duarte (University of Lisbon)

Jorge Vaz de Carvalho (Universidade Católica Portuguesa)

Maria Sequeira Mendes (Escola Superior de Teatro e Cinema)

Rita Bueno Maia (Universidade Católica Portuguesa)

Rogério Miguel Puga (New University of Lisbon)

Teresa Casal (University of Lisbon)

The conference languages are English and Portuguese. Speakers should prepare for a 20-minute presentation followed by questions. Please send a 250-word abstract, as well as a brief biographical note (100 words) to austensuperstar@gmail.com by July 23, 2017.

Proposals should list the paper title, name, institutional affiliation, and contact details. Notification of abstract acceptance or rejection will take place by September 4, 2017.

 

“Risk and Crisis Communication in the Digital Age”: Call for papers

 

Universidade Católica Portuguesa, 19 – 21 October 2017

Crisis Communication research emerged as a response to the need of conceiving emergency plans to deal with events that have a negative effect on stakeholders’ perception of organizations. However, researchers soon demonstrated that crisis communication is more than a reaction, and it should be perceived as a strategic tool to plan organizational life. The absence of a strategic crisis management thinking and discourse, besides posing a risk to organizations also limits response to societal challenges such as natural disasters, terrorist attacks and wars. In addition to this, the Digital Age poses new risks to the typical planning methods, while making available new sorts of tools that can be used to plan, implement and evaluate crisis management.
Departing from this context, the 5th International Crisis Communication Conference aims to discuss how crisis communication can be used by business and the public sector in a strategic fashion. Which theories and case studies can help better plan and implement crisis communication plans? How do organizations learn from the past, i.e. how do they evaluate previous crisis and order to be better prepared for the future? How did the digital challenge traditional strategies of crisis communication? Which sorts of new risks are brought by digital media and how can one learn from previous online crisis? Are corporate and non-corporate organizations ready to face online crisis communication?
While seeking answer for these questions, the conference will deepen and extend the exchange of ideas and approaches across disciplines and between Crisis Communication theories and researches.
Objectives:

  • To examine the role and practices of communication professionals in relation to internal and external aspects of crisis communication,
  • To reflect about and to expose new roles and practices of strategic approaches to internal and external crisis communication,
  • To contribute to knowledge development about crisis communication cases of public and nongovernmental organizations,
  • To discuss and reflect about crisis communication theories and research,
  • To present case studies based on empirical material,
  • To clarify the importance of a strategic crisis communication plan.

The conference includes a panel for corporate discussion and cases presentation, which will contribute to the industry crisis management debate. The conference will also include Young Scholars activities – YECREA.

Submissions should deal with one of the following sub-themes:

  • Corporate Crisis Communication;
  • External Crisis Communication;
  • Internal Crisis Communication;
  • Non-Corporate Crisis Communication;
  • Public and Nongovernmental Organizations Crisis Communication;
  • Integrated Communication;
  • Crisis Communication Management;
  • New Media Crisis Communication;
  • Strategic Crisis Communication Management;
  • Media/Journalism (crisis reporting).

Presentation proposals in English language are to be submitted as meaningful extended abstracts (max. 500 words, references excluded). Abstracts should state the title of the presentation, purpose, theoretical approach, methodology, (expected) findings, implications, relevance, and originality of the study. Include contact information for all authors (name, organization, address, email address and phone). Abstracts must be presented in Word format, in 1.5 line spacing and 12 point Times New Roman font size.

Deadline for submissions
The deadline for submissions is April 17, 2017. Please send the abstract to: crisis5@fch.lisboa.ucp.pt. Notifications of acceptance will be sent by e-mail by June 9, 2017.

The Registration Fees are:

  • 70€ lunch and coffee-breaks included;
  • 95€ Conference dinner included;
  • 35€ non-presenting.

Keynote speakers
Professor W. Timothy Coombs – Texas A&M University (confirmed)
More to be announced soon
Organizing Committee
Professor Carla Ganito
Professor Nelson Ribeiro
Professor Maria Inês Romba

The 5th International Crisis Communication Conference will take place at Universidade Católica Portuguesa, in Lisbon (Portugal), on October 19 – 21. The conference is organized by the ECREA Crisis Communication Section, and hosted by the Research Centre for Communication and Culture (CECC), Universidade Católica Portuguesa (UCP).

 

Submissions: crisis5@fch.lisboa.ucp.pt

MORE INFO: http://crisis5-ecrea.com

‘Routes of Difference’: reportagem vídeo

 

A 6th Graduate Conference in Culture Studies, subordinada ao tema Routes of Difference: Migration in Artistic, Academic and Media Discourses reuniu, nos passados dias 24 e 25 de Novembro de 2016, investigadores e estudantes em torno do actual tema das deslocações de populações e suas consequências socioculturais. Com convidados nacionais e internacionais, a conferência teve ainda um ciclo de cinema no Goethe Institut, parceiro da iniciativa, promovida pelo Lisbon Consortium e pelo CECC, e organizada por Ana do Carmo, Annimari Juvonen e Verena Lindemann.

Agora pode ficar a par dos principais momentos e ideias, na reportagem video do evento:

 

“Work Gone Missing in Communication Theory: Veils of Fast Capitalism”: a conferência de Ed Mkluskie

 

 

A Universidade Católica Portuguesa recebeu, no passado dia 20 de outubro, o Professor Ed McLuskie, membro do Departamento de Comunicação da Boise State University, numa palestra intitulada “Work Gone Missing in Communication Theory: Veils of Fast Capitalism”, organizada pela linha de investigação do CECC “Media, Tecnologia, Contextos”.
Ed McLuskie é reconhecido internacionalmente enquanto filósofo da comunicação e teorista crítico, sendo frequentemente convidado para lecionar em universidades europeias. Foi por duas vezes nomeado Senior Fullbright Professor e fez parte do Fulbright Commission’s National Discipline Peer Review Committee. Tem uma extensa lista de publicações, incluíndo artigos no Journal of Communication e no Journal of Communication Inquiry. Tem desenvolvido projetos internacionais com os seus alunos e lecionado diversos seminários em universidades estrangeiras, onde aborda o tema da crítica em ciência da comunicação, bastante presente na sessão dada na UCP.
A palestra começa com uma afirmação intrigante. Ed McLuskie diz “a minha área de estudo chama-se ‘comunicação’, mas pode ser outra coisa diferente.” Termos como “táticas”, “eficiência”, “persuasão” e “manipulação de audiências” são frequentemente associados a este ramo de estudo. No geral, as pessoas julgam saber o que é comunicação e tendem a mostrar-se relutantes à alteração das suas pré-conceções.
Após uma leitura de excertos sobre este tema, em que se aborda a cultura popular consumista que vivenciamos, o apego à estrutura social no contexto do estudo de comunicação e o conceito de “capitalismo do portátil” – laptop capitalism -, o orador diz-nos que quer falar sobre “a relação entre trabalho, vida e vida interativa, uma relação que coloca a comunicação por detrás de um véu de capitalismo.” Este véu afeta igualmente a investigação em ciências da comunicação, no qual Ed McLuskie se foca, apesar de, na sua opinião, o campo não ser considerado teórico. Isto prende-se com o facto de conceitos como “marketing” e “propaganda”, que são práticos por natureza, serem associados às ciências da comunicação. A comunicação torna-se, assim, uma ferramenta adaptada às necessidades do sistema capitalista e a teoria da comunicação surge como um sistema conceptual de apoio.
O conceito de fast capitalism, cunhado por Ben Agger, pretende então frisar a velocidade a que as mudanças acontecem num mundo profundamente tecnológico, no contexto do sistema económico capitalista, ao nível teórico e prático. Illouz, na sua obra Cold Intimacies, define este conceito como a tendência para “comprimir o tempo no sentido de aumentar a eficiência económica.” Assim, num modelo neoliberal de pensamento, o estudo da relação entre capitalismo e comunicação é dificultado. Estes conceitos estão enraizados numa sociedade que se mostra classista, levando a que a teoria de comunicação avance sem que se considere divergências entre classes sociais e movimentos da oposição.
O orador avança com estas considerações falando da diferença entre as palavras trabalho, work, e labor, labour. Apesar de na língua inglesa padecerem de alguma redundância, os dois termos implicam ênfases distintos nas suas conotações. Num contexto capitalista, o conceito labour apresenta uma relação dialética com o termo “interação”, que se relaciona com o desejo de ser reconhecido, de ser ouvido enquanto ser humano. No exercício de comunicação, assim, esperamos compreensão, reconhecimento e antecipamos que a mensagem que recebemos é verdadeira. Sendo aqui a “verdade” uma dimensão moral normativa, o contrário leva a complicações nas dinâmicas de poder.
Outra consideração colocada pelo orador prende-se com o relativismo absoluto nas teorias de comunicação. Neste caso, posições opostas poderão conviver e ser bem-sucedidas, o que McLuskie critica por dificultarem o pensamento dialético. Fala ainda de modelos de comunicação que se focam simplesmente no lucro, que podem ser lidos enquanto financeiros, e em que pessoas e instituições são meros agentes de mercado.
No que diz respeito a comunicação organizacional, critica o foco no adjetivo, uma vez que as teorias relacionadas com esta temática tendem a enfatizar aspetos relacionados com as organizações e não com a comunicação em si. Critica a “intolerância positivista” dos gestores, que estudam comunicação com o mero objetivo de serem eficientes nas suas comunicações, frisando que a ambiguidade que assim se extingue é um “convite à interação”, proporcionadora de discussão e formulação de teorias. Ainda no âmbito das instituições, exemplifica com o caso das universidades onde, muitas vezes, os organismos de topo são considerados gestores e o pensamento crítico é uma mera ferramenta a ser desenvolvida em cursos como Ciências da Comunicação. Assim, as Humanidades são instrumentalizadas como mera forma de desenvolver estas soft skills.
Numa apresentação cativante, provocadora e instigadora de reflexão sobre a contemporaneidade, Ed McLuskie suscitou discussão quanto a questões básicas relacionadas não só com a importância e a forma de teorizar comunicação, mas também com o conceito de comunicação em si.

Mafalda Duarte Barrela

(Aluna 1º ano Mestrado em Estudos de Cultura)

Um olhar sobre a conferência de Irit Rogoff

A Universidade Católica Portuguesa teve orgulho de receber, no passado dia 12 de Outubro, Irit Rogoff, professora na área de Cultura Visual na Goldsmiths, University of London, numa apresentação intitulada “The Way We Work Now”. A palestra foi organizada pelo Diffractions como parte da série “Creative Knowledge Practices”, contando com o apoio do CECC e do The Lisbon Consortium.

Aclamada teorista crítica, Irit Rogoff é uma das criadoras do ramo transdisciplinar de Cultura Visual, comummente definido como o ponto de encontro entre práticas criativas contemporâneas, política e filosofia. Especificamente, a escritora, curadora e professora revela interesse em práticas participativas, geografia, counter cartography e globalização. De momento, leciona a disciplina “Globalisation” no MA em Contemporary Art Theory, o M.Res em Curatorial/Knowledge e programas de doutoramento, sendo a coordenadora do Ph.D em Visual Culture na Goldsmiths, University of London.

Em “The Way We Work Now”, a oradora começou por ler excertos do livro que deu nome à sessão, no sentido de discutir o conceito de permissões e a diferença entre curadoria e práticas curatoriais – the curatorial. Nos seus comentários referiu que discorda do cenário neoliberal de conhecimento e que o encontro das humanidades com a prática possibilita a realização de trabalho de forma diferente. Exemplo de tal é o curatorial, cujo potencial afirma apenas ter descoberto recentemente. Temas como este são explorados no seu livro ao longo de seis capítulos, no qual Irit Rogoff, nas palavras da própria, em vez de ‘fetichizar’ os artistas, escritores e filósofos, lhes concede o espaço para falarem por si mesmos. Menciona ainda que permissões são concedidas para a invenção de novos temas e para revisões concetuais, frisando dois pontos importantes relativos ao assunto: conhecimento académico e novas práticas criadas. Na verdade, afirma, o modelo de conhecimento adquirido, inherited knowledge, em que tanto o conteúdo como quem o cria possuem igual valor, está um tanto ultrapassado. Em alternativa, o trabalho é realizado nas condições que vivenciamos, por exemplo, a falência da banca e a precariedade, frutos da doutrina neoliberalista. Irit Rogoff critica ainda o cinismo dos programas de practice-based research, em que as instituições utilizam a oportunidade como forma de obtenção de recursos, humanos ou capital, e não para reconhecer as bases em que a investigação académica poderá ocorrer. Irit Rogoff frisou ainda a noção de fugitive study, em que a produção de conhecimento acontece em locais como universidades mas não dentro dos parâmetros formais dos conteúdos curriculares. É, assim, um convite à criatividade e espírito inventivo, à debilitação de hierarquias e à valorização da produção do conhecimento fora dos moldes tradicionais.

O conceito de curadoria versus o curatorial surge, durante a palestra, neste âmbito. Os curadores são, assim, mais que meros organizadores de exibições, mas produtores de conhecimento; são responsáveis pela sua agregação e exposição sob um determinado conceito. A autora afirma que o curatorial explora o que acontece nesse “palco”, tanto de forma propositada como acidental. Os objetos artísticos tomam, então, um papel ativo na narrativa apresentada, de que são exemplo, referiu, os estudos coletivos que acontecem na esfera pública e não no mundo académico.

Um projeto que se pode enquadrar nesta definição é o freethought pela Bergen Assembly, apresentado na segunda parte da palestra e no qual Irit Rogoff participa ativamente. O projeto trienal, com sede na Noruega, é organizado por seis investigadores. O coletivo tem-se focado no conceito de “infraestrutura”, um termo que é, segundo a oradora, “desagradável e mal-amado, apenas apreciado por planeadores e tecnocratas”. À partida, não se reconhece nenhum tipo de discurso crítico ao termo. Contudo, o grupo defende que, à semelhança da mão invisível de Adam Smith, a infraestrutura “surge como a força invisível da cultura manifesta hoje em dia.” A este nível, infraestrutura é sinónimo de progresso e facilita operações culturais como o surgimento de museus, o patronato e as parcerias, atividades explicadas pelo desejo crescente de experiências culturais. Irit Rogoff exemplifica com o caso do Guggenheim, que não tendo espaço para armazenamento da sua vasta coleção, iniciou um processo de franchising. Em freetought, o termo “infraestrutura” é dissecado e estudado através de seminários, palestras com oradores convidados, uma plataforma online, um simpósio, o Partisan Café, um livro e outras exposições. Alguns dos projetos foram apresentados durante a sessão, incluindo o Museum of Burning Questions e Infrastructure of Feeling.

Previamente à abertura de discussão com o público, Irit Rogoff terminou frisando a importância de iniciar uma conversa sobre as diferentes perspetivas em que poderemos ser considerados produtos de infraestruturas. Numa apresentação caraterizada pela sua densidade, riqueza e novidade, a conferência proporcionou uma nova lente não só para análise da produção de conhecimento, mas também para a compreensão do mundo contemporâneo

Mafalda Duarte Barrela 

(Aluna 1º ano Mestrado Estudos de Cultura)

This slideshow requires JavaScript.

“The Way we Work Now” em imagens

Dia 12 de Outubro, Irit Rogoff esteve na Universidade Católica, a convite da revista Diffractions, com o apoio do CECC e do Lisbon Consortium, apresentando a conferência “The way we work now”, no auditório 2 da Faculdade de Ciências Humanas, perante uma ampla audiência de alunos, docentes, investigadores e artistas.