Alexandra Balona é co-autora de projecto vencedor do programa Criatório

A investigadora Alexandra Balona, a realizar um doutoramento em Estudos de Cultura do Lisbon Consortium, é co-autora, com Sofia Lemos, do projecto mais bem classificado, entre 300, do Criatório, o programa de apoios à criação cultural lançado no final de 2016 e com o qual a Câmara do Porto se comprometeu a atribuir 15 mil euros a 16 projectos.

 

Alexandra Balona e Sofia Lemos sobre o projecto:

ESTADOS GERAIS: Pensamento e Contemporaneidade apresenta-se como uma programação pública de crítica do contemporâneo que visa promover o debate e a inscrição reflexiva nacional e internacional, centrado num eixo estruturante — a desconstrução do sujeito moderno e contemporâneo, num mundo global mais-do-que-humano — expandido em três linhagens temáticas que darão lugar a três simpósios.

A iniciar o ciclo em Outubro de 2017, o primeiro simpósio intitulado #MATÉRIA: Multiplicidade e Abertura terá lugar em Serralves – Museu de Arte contemporânea, e articular-se-á com a programação da instituição em artes performativas. O segundo e terceiro momentos, respectivamente, #AGENCIAMENTOS: Pensar e agir no Antropoceno e #COMUM: Ser Singular Plural terão lugar no Rivoli Teatro Municipal do Porto, em Fevereiro e Maio de 2018, e articular-se-ão com programação conjunta em artes performativas. 

Cada simpósio pretende ser um evento amplo e transdisciplinar organizado no decurso de dois dias, e visa convidar diversas audiências através de duas modalidades de compromisso: painéis conferencistas, seguido de um debate moderado por um convidado local ou international, articulados com eventos de artes performativas.

O primeiro momento #MATÉRIA: Multiplicidade e Abertura visa instigar um sujeito que se constitui em permanente devir e multiplicidade, nos limites porosos que vão além da sua espécie de animal “humano” para outras liminalidades da animalidade não humana, hibridez, queerness, modos múltiplos de raça e de género, formado não só em contacto com o que o circunda, mas sendo dele parte integrante. 

No segundo momento, #AGENCIAMENTOS: Pensar e agir no Antropoceno, procura-se investigar o debate contemporâneo em torno daquilo a que chamamos “Natureza” e desconstruir o posicionamento antropocêntrico perante a realidade material, animada ou inanimada, que vai além do humano. Visa-se potenciar agenciamentos alternativos no sentido de promover ecologias horizontais, numa articulação ético-política.

Finalmente, #COMUM: Ser Singular Plural propõe um debate sobre o humano como aquele que se constitui num permanente processo relacional e plural com o Outro, sendo esta alteridade múltipla e tentacular. Assim, opera-se numa plataforma alicerçada na desmaterialização da dicotomia do indivíduo e do Outro, promovendo reflexões ontológicas relacionais e modais.
Alexandra Balona é ainda crítica de dança no jornal Público, onde escreve regularmente. No seu mais recente artigo “A ética do negativo” (17 Maio 2017) debruça-se sobre a obra de Jonathan Saldanha.