“Broadcasting in the Portuguese Empire” Novo projecto do CECC financiado pela FCT e pelo FEDER

“Broadcasting in the Portuguese Empire”: novo projecto do CECC financiado pela FCT e pelo FEDER

Ao longo do século XX as emissões de rádio desempenharam um papel central na construção de identidades nacionais e imperiais, assumido-se, em diversas geografias, como as principais fontes de notícias e de cultura popular. A universalidade do meio sonoro levou a que este tivesse sido utilizado, pelas nações europeias com impérios coloniais, como um instrumento de promoção de “comunidades Imaginadas” (utilizando um termo de Benedict Anderson)  entre populações geograficamente dispersas e enraizadas em diferentes contextos culturais. As emissões eram desenhadas com o objetivo de criar um sentimento de nação, reportando eventos cerimoniais e garantindo a existência de uma comunicação, ainda que unidirecional, entre o centro e as periferias.

No caso do império português permanecem  por responder duas questões que serão centrais nesta investigação:
i) Como é que o Estado Novo usou a radiodifusão como ferramenta de construção da ideia de Império?
ii) De que modo Portugal utilizou a rádio de modo distinto quando comparado com as outras nações imperialistas?

Coordenado pelo investigador do CECC, Nelson Ribeiro, “Broadcasting in the Portuguese Empire” tem uma natureza interdisciplinar, no cruzamento dos estudos de comunicação com a história, e deverá permitir reconstruir a forma como o Estado Novo utilizava a radiodifusão para a promoção de discursos nacionalistas nos territórios coloniais. O projeto, financiado com 203.500€, decorrerá entre julho de 2018 e julho de 2021 e procurará inserir o caso português na agenda internacional dos estudos de media e império.
Na sua avaliação, o painel internacional da FCT destacou a qualidade da equipa e do plano de trabalhos, bem como o facto de o projeto, ao assumir uma vertente comparativa sobre os efeitos da propaganda noutros impérios coloniais, poder “dar um contributo substancial para o debate científico”, alargado o conhecimento sobre a acção dos media como instrumentos de propaganda política.

Palestra “Challenges for the Management of Arts Institutions and Philanthropic Strategies”

Susanne Weber-Mosdorf esteve presente para uma palestra aberta na Universidade, na qual procurou partilhar a sua experiência sobre os principais desafios na gestão de instituições artísticas. Neste sentido, foram discutidos temas como o desenvolvimento de políticas culturais, os impactos da globalização nas instituições e a importância do investimento financeiro no seu desempenho.

A palestra foi decisiva na afirmação da necessidade de criar maior sensibilidade para as artes e cultura como direito humano, assim como o investimento em diretivas políticas que abranjam instituições de todos os tamanhos e que não englobe somente aquelas de maior prestígio.

A crescente burocrática, os cortes subsidiários, as dificuldades na regularização de material audiovisual e a liberalização do comércio têm sido outros dos fatores que provocam uma desestabilização do mercado das artes. Simultaneamente, estes impactos têm sido sentidos pela restrição que provocam sobre os processos de criatividade e inovação. Investimento e conteúdo tornam-se assim, invariavelmente, dependentes e as consequências fazem-se sentir pelo desfasamento sentido entre instituições de diferentes tamanhos, bem como na sensibilidade social sobre as suas necessidades.

Todavia, estes desafios não se encontram apenas focalizados na perspetiva sociocultural, Susanne Weber-Mosdorf apontando igualmente para a necessidade de alterar algumas práticas organizacionais internas às instituições culturais. A necessidade de encontrar uma visão comum sobre as práticas organizacionais foi um dos fatores sublinhados, pelo desenvolvimento de um ambiente mais transparente, cuja missão e visão sejam claras, assim como um maior investimento nas qualidades profissionais dos stakeholders e em novos modelos de gestão.

A palestra terminou com um apelo à necessidade de maior visibilidade e sensibilização sobre o que é a cultura e o seu impacto na nossa sociedade. Todos os desafios apontados são, na perspetiva de Susanne Weber-Mosdorf, janelas de oportunidade para mudar e melhorar a situação atual. Propõe que estes desafios sejam encarados duma forma organizada e estratégica, como é o caso das redes sociais, as quais com o devido investimento poderão trazer vantagens e aumentar a atenção para as atividades culturais desenvolvidas.

IMG_7759IMG_7762

Sobre a palestra “The Rise of Trump: Inequalities, Class and Populism in America”

O Professor Mauro P. Porto esteve presente na Universidade Católica Portuguesa, na passada Segunda-Feira, para uma palestra aberta sobre a campanha eleitoral Americana de 2016. A eleição de Donald Trump, atual Presidente dos Estados Unidos da América, foi alvo de análise pelo Professor e pelo grupo de pesquisa da Universidade de Tulane.

Como forma de compreender o comportamento eleitoral, o Professor apresentou uma análise topológica da distribuição de votos, a partir da qual procurou explicar as respetivas motivações através de padrões regionais.

Esta metodologia permitiu concluir que os resultados eleitorais de 2016 se deveram muito ao sucesso de Trump na área do “Rust Belt” (“cinturão da ferrugem”), a qual é constituída pelos estados do nordeste e meio-oeste. Esta área distingue-se primeiramente pela sua homogeneidade racial, assim como por ser uma das zonas que mais sofreu com o impacto da crise económica sentida nos últimos anos.

Donald Trump obteve 58% dos seus votos de Norte-Americanos brancos, cujas regiões se localizam no que Mauro P. Porto intitulou de “Landscapes of Despair”. A sua vitória foi assim conquistada pelo seu êxito com a “white working class”, conceito ainda pouco articulado, mas que se provou chave na sua campanha. Apesar de não ter explorado as possíveis intersecções entre raça e classe, Mauro P. Porto apelou a que tal fosse alvo de debate no campo académico no futuro.

Será ainda de sublinhar a relevância do ambiente de incerteza e insegurança sentidos nestes estados, assim como o seu papel na decisão de voto. O Professor terminou a palestra apelando a que mais atenção seja dispensada aos padrões culturais que dividem os Estados Unidos e a que as problemáticas e desestabilizações sociais sejam endereçadas, como forma de combater as atuais condições políticas. O orador deixou a certeza que os escândalos e a má propaganda do atual Presidente não serão motivo para impedir a sua reeleição em 2020.

Lecture “The Rise of Trump: Inequalities, Class and Populism in America”

Dia 28 de maio a Universidade Católica Portuguesa será palco da conferência “The Rise of Trump: Inequalities, Class and Populism in America”, apresentada pelo docente e investigador convidado, Professor Mauro Pereira Porto.

A conferência organizada pelo CECC ocorre no âmbito do Ciclo de Conferências do Doutoramento em Ciências da Comunicação, e convida à reunião de investigadores de várias áreas a assistirem e participarem na palestra aberta.

 

O Professor Paulo Pereira Porto encontra-se de momento a lecionar nos Estados Unidos, na Universidade de Tulane, Nova Orleães. Tendo estudado na Universidade de Brasília, onde fez Licenciatura e Mestrado em Comunicação e Ciência Política respetivamente, realizou o Doutoramento na Universidade da Califórnia, São Diego, em 2001.

A sua carreira conduziu-o a áreas de pesquisa no âmbito da Comunicação Política, Media, Democracia e dos Estudos Latino-Americanos. Publicou dois livros que exploram estas dinâmicas, o primeiro “Televisão e política no Brasil: A Rede Globo e as interpretações da audiência” em 2007 e, em 2012, “Media power and democratization in Brazil: TV Globo and the dilemas of political accountability”.

 

 

“Language, Translation, and Migration”: Conference and Public Summit 2018

As docentes e investigadoras do CECC Rita Maia e Alexandra Lopes encontram-se, de momento, a participar na conferência “Language, Translation, and Migration” na Universidade de Warwick. A conferência decorre entre os dias 24 e 26, nas instalações da Universidade no Reino Unido e reúne investigadores de diferentes contextos culturais.

A investigadora Alexandra Lopes irá falar sobre o tema “The definitive foreigner: Translatorship as migration” e a investigadora Rita Maia irá, por sua vez, apresentar o tema “Integrating indirect translation into translation curricula: Towards a more equal and sustainable translation market. A research Project”.

A conferência pretende explorar a diversidade linguística e disciplinar, debatendo temas como as dinâmicas entre os fatores políticos e comportamentais, bem como a influência que estes poderão prestar sobre a multiplicidade linguística e a diversidade cultural. Perante o incremento da interconectividade, numa época que se assume cada vez mais global, levantam-se questões fulcrais em relação à complexidade dos processos migratórios e à adaptabilidade dos sistemas educativos e judiciais.

A linguagem e a tradução, surgem assim, como elemento agregador ou, por outro lado, perturbador da coesão e mobilidade sociais. Um diálogo partilhado entre profissionais e investigadores das áreas de tradução, línguas e sociologia, entre outras, tornam-se assim fundamentais à compreensão das melhores práticas, bem como ao desenvolvimento de modelos e aprendizagens que diluam e agilizem as barreiras socioculturais no processo de migração.

 

Para mais informações: 

Página da Conferência

Programa da Conferência

Conferência “Holocausto, Genocídio e Crimes contra a Humanidade”

A conferência “Holocausto, Genocídio e Crimes contra a Humanidade” decorreu nos passados dias 16 e 17 de maio, nas instalações da FCH, e reuniu vários investigadores para debaterem questões de alteridade, violência e antissemitismo vividos durante o contexto socio-político da Segunda Guerra Mundial.

A investigadora do CECC Maria Amélia Cruz marcou presença com o tema “Echoes of the Holocaust in Mirjam Pressler’s juveline literary production”.

Conhecida primordialmente pela sua tradução e publicação d’O Diário de Anne Frank (originalmente intitulado de Het Achterhuis) de Holandês para Alemão, Mirjam Pressler publicou várias obras dentro do género da Literatura Infanto-Juvenil no contexto do Holocausto.Maria Amélia referiu a autora como ponto de partida para compreender como a sociologia e psicologia juvenil se constroem e refletem na literatura. Os ecos do Holocausto são assim sentidos na escrita de Pressler, defendeu a investigadora do CECC, estando a identidade juvenil em constante dialética com a multiplicidade de experiências e processos de socialização a que estes jovens estão expostos.

Maria Amélia Cruz terminou a sua intervenção nesta conferência com um apelo a que repensemos a forma como os jovens lidam hoje com a alteridade, para reduzir os índices de marginalização ainda sentidos em países com passados de guerra e coloniais.

Veja a seguir algumas fotografias da conferência.

Caterina Cucinotta publica tese sobre cinema e vestuário

A investigadora Caterina Cucinotta vê agora publicado em livro a sua tese de doutoramento sob o título Viagem ao Cinema através do seu Vestuário. 

A apresentação da obra terá lugar em duas ocasiões: dia 9 de Maio na Universidade da Beira Interior, na Covilhã, durante as Jornadas do Cinema em Português; e no AIM em Aveiro no dia 17 de Maio.

 

Luísa Santos escreve sobre Rui Toscano na revista Contemporânea

A docente do Lisbon Consortium e investigadora do CECC escreveu na Revista Contemporânea sobre a mais recente exposição de Rui Toscano na Galeria Cristina Guerra, ainda a decorrer.

O fascínio pela imensidão do cosmos e pela ambição humana de explorá-lo e entendê-lo é central ao corpo de trabalho que desenha Eu Sou o Cosmos. Etimologicamente, a  palavra cosmos deriva do termo grego κόσμος (kosmos), cujo sentido literal é o que está “bem ordenado” ou “ornamentado” e “mundo”. Este entendimento do cosmos mostra-se particularmente claro nas pinturas Dois Biliões de Estrelas (2018) e Um Bilião de Estrelas (2018). Dominadas, respectivamente, por um fundo branco e por um fundo preto, habitados por pontos e círculos de diferentes dimensões, brancos, azuis e cinzentos, parecem recusar a natureza em favor da abstração. Numa união da bidimensionalidade com a profundidade, estas pinturas transmitem habilmente a definição de sublime Kantiano: um objecto “cuja representação determina o ânimo a imaginar a inacessibilidade da natureza como apresentação de ideias.” [1] A experiência interna de olhar para estas pinturas envolve uma sensação inquietante perante algo sem forma e infinito que nos escapa. Por outras palavras, as pinturas colocam-nos diante da imensidão do universo e da percepção da nossa pequenez expondo a nossa faculdade da razão.

Luísa Santos

Excerto de “Rui Toscano. Eu Sou o Cosmos”, Ed. 04 / 2018. Pode ler-se o texto completo aqui

 

Livro dos Anais do XV Congresso Ibercom agora online

O e-book dos Anais do XV Congresso Ibercom 2017 está já disponivel online. O encontro anual realizou-se este ano na Universidade Católica Portuguesa, entre 16 e 18 de Novembro, e na organizaçao estiveram os docentes e investigadores Nelson Ribeiro e Catarina Duff Burnay.

O livro, com mais de 6 mil páginas, está disponível para download gratuito aqui 

Exposição da Parques de Sintra organizada por aluno do Lisbon Consortium

cartaz.png

A exposição de fotografia “Significação. Outras Margens do Jardim” apresenta o trabalho de quatro artistas, no MU.SA – Museu das Artes de Sintra. Foi organizada e produzida por Ricardo Escarduça, com a coordenação de Maria Carvalho, no âmbito do estágio realizado pelo aluno de mestrado do Lisbon Consortium nos Parques de Sintra-Monte da Lua, parceiro da rede de mestrado e doutoramento em Estudos de Cultura da Universidade Católica Portuguesa.

Esta mostra resulta de um concurso que teve como juri Isabel Capeloa Gil, Marc Lenot and Sérgio. B. Gomes. O director do CECC, Peter Hanenberg, foi o consultor científico. “A variedade e a riqueza destas propostas abrem novos olhares sobre a fotografia de jardim. Entre sentimento, teatralidade, questionamento e processo, estes fotógrafos demonstram talento, criatividade e capacidade a trabalharem fora do campo tradicional”, resumiu o júri, conforme se pode ler nesta notícia, onde pode ainda encontrar informações úteis sobre o evento.

A exposição abre dia 5 de Maio e encerra no dia 3 de Junho.